CARMENS TOPO
Magaldi
sheik
casa da linguiça
FEMINICÍDIO

'Apontou a arma bem perto e atirou na cabeça dela', relata irmã de mulher assassinada

Ingrid Priscila Almeida Marques, 24 anos, teria sido morta pelo ex-companheiro

02/12/2019 11h23Atualizado há 4 dias
Por: Fabrício Vieira
50

Uma jovem de 24 anos foi assassinada com pelo menos um tiro na cabeça em Arroio do Sal, no Litoral Norte, no sábado (30). O crime aconteceu na casa do ex-companheiro de Ingrid Priscila Almeida Marques. Segundo familiares da vítima, o homem é o autor do tiro que matou a mulher.  Ingrid havia ido buscar seus pertences, já que o casal estava em processo de separação. 

A irmã de Ingrid, Indianara Poliana Marques, 20 anos, estava com a vítima no momento do crime, assim como a filha do casal, de apenas um ano. Segundo a familiar, o ex-companheiro de Ingrid apontou um revólver e atirou na mulher, sem que houvesse uma briga antes.

— Foi horrível — resume. 

Ingrid era natural de Caxias do Sul e morava havia três anos em Arroio do Sal. Segundo familiares, a jovem decidiu se mudar para o Litoral Norte após conhecer o suspeito. A relação começou a complicar nos últimos meses e o companheiro passou a ser agressivo: 

— Minha irmã dizia que ele a agredia. Mas ela nunca registrou ocorrência na polícia.

Na quarta-feira (27), Ingrid teria telefonado para a irmã e pedido ajuda. Moradora de Caxias do Sul, Indianara foi buscá-la. Ingrid e a filha foram à Serra apenas com a roupa que usavam – sem documentos e dinheiro. Dois dias depois, retornaram para buscar os pertences de carro com um amigo: 

— Minha irmã desceu com a bebê e entrou na casa. Vi ele (o ex-companheiro de Ingrid) sair da parte de trás da casa.

O homem teria se aproximado do carro e ameaçado o amigo das irmãs. Depois, teria entrado na casa e encontrado as duas no quarto, onde pegavam os pertences de Ingrid. 

— Minha irmã estava com a bebê no colo. Apontou a arma bem perto e atirou na cabeça dela. A bebê caiu na cama e minha irmã, para trás — conta.

Indianara e o amigo chamaram a Brigada Militar, mas quando a BM chegou na moradia, o homem já tinha fugido. 

Inconformado, o avô de Ingrid, Celso Henrique Almeida, diz que não conhecia bem o companheiro da neta. Conta que, ao ver uma foto da vítima com o homem pendurada numa geladeira, não se conteve:

— Rasguei. Mas segurei a parte que mostra o rosto dele.

Além da bebê, Ingrid era mãe de dois meninos de 10 e oito anos de relacionamentos anteriores. 

— Deve ser requerida na segunda-feira a prisão preventiva desse elemento — projetou o delegado regional Heraldo Guerreiro.

#poa24hs

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários