Seja bem-vindo
Porto Alegre,19/04/2024

  • A +
  • A -

Fazendeiros ameaçam reagir contra invasão de suas fazendas pelo MST no Rio Grande do Sul

Produtores rurais fazem vigília próximo a acampamento de sem-terra na cidade de Ulha Negra e advertem sobre risco de conflito de confronto


Fazendeiros ameaçam reagir contra invasão de suas fazendas pelo MST no Rio Grande do Sul   Fazendeiros fazem Vigilia
Publicidade

A cidade de Hulha Negra (RS), que fica a 370 quilômetros de Porto Alegre, pode se transformar nos próximos dias em palco de um conflito sem precedentes na região. Ao lado da cidade foram construído dois acampamentos. Um é do MST, que reuniu mais de 300 pessoas no local e se prepara para invadir fazendas na região. O outro pertence a fazendeiros. 

A um quilômetro das barracas de lona montadas pelo MST estão 200 produtores rurais que se revezam em um “ponto de vigília”, preparados, segundo eles,  para reagir a qualquer tentativa de invasão.Separando os dois grupos, há apenas duas viaturas da  Brigada Militar.

 Ao longo da semana, os ânimos se exaltaram entre os sem-terra e os fazendeiros. O MST cobra velocidade na reforma agrária e ameaça invadir propriedades para chamar a atenção do governo federal.

A ação estaria programada para acontecer no início do mês, quando começa o chamado Abril Vermelho, período em que o movimento tradicionalmente amplia o número de ataques. 

“Estamos lá para garantir nosso direito de propriedade”

O clima de beligerância em Hulha Negra é tão grande que um dos vice-presidentes da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Paulo Ricardo Dias, foi  a Brasília para tentar encontrar uma solução política e evitar o confronto. Dias disse a VEJA que os fazendeiros já estão preparados para o enfrentamento. 

Dias disse que os fazendeiros já estão preparados para o enfrentamento. “Se houver invasão, nós vamos reagir, estamos lá para garantir o direito de propriedade”, afirmou Dias. 

Um dos encontros de Dias em Brasília foi com o presidente da Frente Parlamentar Invasão Zero, o deputado Luciano Zucco (PL-RS). Os produtores rurais entregaram ao deputado fotografias e vídeos de 

de assentamentos do MST no estado, mostrando que dezenas de famílias abandonaram, venderam ou arrendaram terras que receberam do programa de reforma agrária. 

A Frente Parlamentar e a Farsul decidiram enviar o material ao Ministério Público Federal. A suspeita dos agricultores é que várias glebas da reforma agrária tenham sido vendidas de forma irregular, com contratos de gaveta.  Os proprietários também afirmam que há estrangeiros nos acampamentos do MST estrangeiros. O município de Hulha Negra fica a pouco mais de 50 quilômetros da fronteira com o Paraguai.








Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.