Seja bem-vindo
Porto Alegre,23/02/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Polícia Civil identifica dupla que executou estudante na Ilha das Flores; sexto suspeito é preso

Um dos dois homens identificados como autores do ataque foi preso preventivamente, o outro não teve prisão autorizada pela Justiça

correio do Povo
Polícia Civil identifica dupla que executou estudante na Ilha das Flores; sexto suspeito é preso Foto: Gustavo Mansur/Secom
Publicidade

Foi decretada a prisão preventiva do sexto suspeito de envolvimento no ataque a tiros que matou a estudante Sarah Silva Domingues, de 28 anos, na Ilha das Flores, no bairro Arquipélago, em Porto Alegre. Ele seria um dos autores do atentado, ocorrido no dia 23 de janeiro, e foi detido quando prestava depoimento na delegacia. Um comparsa dele também foi identificado, mas não teve a prisão autorizada pela Justiça.

De acordo com a Polícia Civil, os homens atuaram como executores do ataque. Na residência deles, foram apreendidos capacetes de moto e as roupas utilizadas na data do crime. Nenhum dos dois mora na Ilha das Flores. A suspeita é que eles tenham sido pagos para cometer o crime.

Câmeras de segurança registraram a dupla guiando uma moto e efetuando disparos, antes de fugir. Dois dias antes do ataque, os suspeitos foram gravados no mesmo local, realizando a averiguação da área.

Segundo o relato de moradores, os tiros foram disparados, às 19h24min, em um mercado na Rua do Pescador. O alvo, aponta a investigação, era o proprietário Valdir dos Santos Pereira, de 53 anos. Ele foi executado dentro do comércio. Sarah foi baleada no peito e no braço, e morreu em frente ao estabelecimento. Pelo menos 15 tiros de pistola calibre 9 milímetros foram deflagrados.

Ao todo, 10 pessoas são investigadas. Na terça-feira, outros cinco suspeitos foram presos temporariamente na terça-feira, durante a Operação Flor de Lótus. Destes, três são apontados como mandantes do crime e dois são investigados por envolvimento indireto. As ordens foram cumpridas na Penitenciária Modulada de Charqueadas, no Presídio Regional de Santa Cruz do Sul e na unidade de saúde prisional do Hospital Vila Nova, na zona Sul da Capital.

Segundo a investigação, os mandantes do atentado ocupam posição de liderança em uma facção que atua na Ilha das Flores. O grupo também será alvo de uma ação contra lavagem de dinheiro. O objetivo é descapitalizar a quadrilha.

Antes do ataque, as vítimas, que não se conheciam, conversavam no local. A estudante entrevistava Valdir para uma pesquisa, que seria parte de seu trabalho de conclusão de curso, o TCC.

Sarah participava de movimentos sociais e cursava Arquitetura e Urbanismo, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), desde 2016, além de morar na Casa do Estudante. A universitária teria dito a moradores que estava na região para fazer um trabalho de campo, em razão do temporal. Momentos antes do crime, ela utilizava um crachá do curso e registrava imagens da localidade. Ela não tinha antecedentes criminais.

Valdir tinha passagens por ameaça, apropriação indébita, crimes contra a fauna e porte ilegal de arma de fogo. Apesar dos registros criminais, ele não tinha envolvimento com o tráfico de drogas. Segundo a investigação, o ataque contra ele teria sido motivado por conta da oposição dele frente aos desmandos dos traficantes na região.


Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.